LibreOffice no Ubuntu

libre

Saiu recentemente do forno da The Document Foundation uma nova versão do LibreOffice, a versão 4.3.4.
Para quem pretende atualizar facilmente o LibreOffice por repositório para a versão mais recente basta executar os seguintes comandos:

sudo add-apt-repository ppa:libreoffice/ppa
sudo apt-get update
sudo apt-get dist-upgrade

Caso o programa não apareça em português, basta  instalar o pacote pt:

sudo apt-get install libreoffice-l10n-pt

E já está! 🙂

Putty no Ubuntu

putty

Quem administra routers e outros equipamentos cujo meio de acesso à configuração é através de uma consola, em Windows usa o fantástico Putty.
No entanto esta ferramenta também existe para Linux e funciona muito bem em Ubuntu!

Para instalar basta o seguinte comando:
sudo apt-get install putty

E pronto, está instalado.

Há dois pormenores a partilhar:

1 – Para se usar o putty como utilizador regular (sem direitos administrativos) numa porta local (COM ou USB) é necessário que o utilizador pertença ao grupo dialout. Para tal basta executar o seguinte comando:
sudo adduser utilizador dialout
Teremos que terminar sessão para tornar esta alteração efectiva.

2 – Em Windows,  quando queremos executar um “copiar-colar” a informação que queremos copiar é selecionada com o botão esquerdo do rato. Para efetuar o “colar” clicamos com o botão direito. Em Linux, a ação de “colar” é feita com o botão do meio ou a “roda” do nosso rato.

Boas ligações! 🙂

Microsoft Lync

lyncConhecem o Microsoft Lync? É o “Skype” empresarial da Microsoft. Destaca-se pela integração com a AD de um domínio Microsoft e com a agenda do Outlook, entre outras vantagens. Mas tem um grande defeito ao não ter uma alternativa cliente em Linux…

Como a “malta” de Linux também é persistente é possível usar o Lync via… Pidgin! Vamos instalar? Bora pra consola 🙂

1 – Inserimos uma variável que tem a ver com SSL e o Lync 2013, num ficheiro do nosso perfil:

echo ‘NSS_SSL_CBC_RANDOM_IV=0’ >> ~/.pam_environment

Esta situação está documentada aqui e resolve um erro ao fazer login.

2 – Em seguida terminar sessão e voltar a entrar.

3 – Por fim, basta instalar o Pidgin e o plugin do Lync:

sudo apt-get install pidgin pidgin-sipe

Ao entrar no Pidgin vai aparecer um tipo de conta com o nome “Office Communicator”

Pidgin_Lync

Inserimos a informação de login e se tudo correr bem ficamos ligados ao Microsoft Lync Server da nossa empresa 🙂

 

Boa sorte!

Minecraft Server

Minecraft é sem dúvida um jogo com um sucesso incontestável e que dispensa apresentações. É um jogo de “legos” virtuais onde o limite está na imaginação. Com gráficos que lembram os jogos de computador de há 20 anos, ganha a preferência a muitos jogos atuais. Com um preço baixo e uma comunidade imensa que o suporta e alimenta com extras, torna-se uma boa distração durante horas… Chego mesmo a considerar este jogo bastante educativo e um ótimo exercício mental para desenvolver a criatividade.

Jogar localmente não exige muitos conhecimentos, basta aceder à página do jogo, fazer o download, executar e… jogar! É suportado pelas plataformas Linux, Mac e Windows.

Mas o que este jogo também permite é jogar em rede com os amigos, em casa ou na Internet. Há vários sites que alugam servidores mas quando lá em casa me pediram para alugar um não gostei dos preços, para o efeito que era. Toca a pegar num PC velhinho e fazer um!

Minecraft um jogo que depende de Java e é bastante exigente a nível gráfico e memória RAM. Como o servidor não é para jogar localmente, não é preciso uma boa gráfica mas no mínimo aconselho 2GB de RAM. Vou instalar o Ubuntu Server 12.04 LTS num Pentium4 3.0 com 2GB de RAM e 80GB de disco. Para a localização do Minecraft vou usar o diretório “/minecraft”, criar um utilizador limitado “papimigas” e usar a porta TCP “25565” para ligações em rede (que é a por defeito). Vou instalar a versão do Minecraft 1.7.4 mas os passos seguintes servem para qualquer outra versão (oficial ou menos oficial) e podem adaptá-los às vossas circunstâncias.

1-Instalar o Ubuntu server 12.04 e atualizar: sudo apt-get update && sudo apt-get upgrade

2-Instalar o JAVA-JRE: sudo apt-get install default-jre

3-Criar uma pasta para o Minecraft server: sudo mkdir /minecraft

4-Criar um utilizador para arrancar o Minecraft Server: sudo adduser –system –no-create-home –home /minecraft papimigas

5-Dar as permissões à pasta do utilizador: sudo chown -R papimigas /minecraft

6-Entrar na pasta: cd /minecraft

7-Fazer download do minecraft server: wget -O minecraft_server.jar https://s3.amazonaws.com/Minecraft.Download/versions/1.7.4/minecraft_server.1.7.4.jar

8-Criamos um script para o Minecraft  Server arrancar automaticamente com o pc:

a) sudo nano /etc/init/minecraft-server.conf

b) inserimos a informação seguinte:

# minecraft server
console log
exec start-stop-daemon --start --chdir /minecraft --chuid papimigas \
    --exec /usr/bin/java -- -Xms1536M -Xmx2048M -jar minecraft_server.jar nogui 2>&1
start on runlevel [2345]
stop on runlevel [^2345]
respawn
respawn limit 20 5

c) Guardamos com o comando Ctrl+x , em seguida um y e por fim Enter

9-Ativamos o serviço: sudo start minecraft-server (sempre que necessitarem de o parar podem usar o comando sudo stop minecraft-server). Ao criar este serviço o Minecraft server vai arrancar automaticamente quando arrancamos com o PC. É só ligar e aguardar um pouco!

10-Ainda no diretório do minecraft ( /minecraft),  se executarem ls -l vão encontrar vários ficheiros que entretanto foram criados. O mais importante é o server-properties pois é lá que vamos definir as principais caracteristicas do nosso servidor. Para a editarem usem o nano mais uma vez: sudo nano /minecraft/server-properties . Aconselho que visitem esta página para perceberem o que cada propriedade faz. Não esquecer de parar o serviço com um sudo stop minecraft-server antes de modificar algum dos ficheiros de configuração e no fim das alterações arrancar novamente com um sudo start minecraft-server.

11-Se for para partilhar o acesso para fora da nossa casa teremos que “abrir” a porta TCP do servidor no nosso router e recorrer a um serviço dinâmico de DNS.

12-Para nos ligarmos ao servidor, no nosso pc arrancamos com o Minecraft e clicamos em Multijogador (ou Multiplayer, em inglês). Clicamos no botão “adicionar servidor” e inserimos o IP do servidor (caso seja dentro da mesma rede) ou o nome DNS dinâmico, caso seja fora de casa. Se não usarem a porta padrão (25565) terão que acrescentar. Por exemplo, se escolherem usar a porta 41234 e o ip externo for http://exemplo.pt, no campo endereço do servidor tem de colocar exemplo.pt:41234.

Boas aventuras!

 minecraft

Comandos em Linux

Há uma ferramenta fantástica que ajuda a entender e formular corretamente comandos em Linux.

Image

Explain Shell

 

E o que faz esta página?  

Muitas vezes encontramos comandos na internet e apenas copiamos e colamos na consola, sem perceber bem o que estamos a fazer. Bom, esta página ajuda-nos a entender melhor!

Vamos ver no artigo do DynDNS autologin. A certa altura encontramos o comando seguinte:

echo Login com sucesso

Mas o que faz isto ao certo? Copiamos o comando e colamos na página ExplainShell

Resultado:

Image

Dá-nos informação detalhada sobre o “comboio” de comandos que apresentámos. É óbvio que podemos sempre ir ao manual do comando que pretendemos mas quando o conjunto de comandos se torna um “comboio” isto ajuda!

O site está ligado ao Manpage do Ubuntu pelo que funciona como um filtro. É uma ótima maneira de aprender e entender comandos e as suas variáveis.

 

Cumprimentos

 

Ubuntu 12.04: Recuperar o arranque

Por vezes damos cabo do arranque do nosso sistema, ou com uma atualização que corre mal (ex. kernel) ou com uma falha de energia, ou até com as nossas próprias ações, voluntárias ou não…

Iniciamos a nossa máquina mas só aparece “grub>”…

grub

Como resolver? Muito fácil! Arrancamos com o CD/PEN de instalação do nosso sistema e escolhemos a última opção:

install1

Nos ecrãs seguintes definimos a linguagem, localização, nome de rede, etc. O mais importante é quando nos pergunta qual a localização da “/”.  Em princípio será “/dev/sda1” mas ajustem de acordo com a vossa instalação.

Em seguida apresenta a seguinte opção:

rescue

Escolhemos a primeira opção como na figura e vamos então reparar o nosso arranque.

Primeiro podemos verificar o estado do disco (não é obrigatório fazer este passo e a letra X deverá ser alterada para a letra da vossa instalação):

fsck /dev/sdaX

Vamos finalmente reinstalar, verificar e actualizar o grub. Executamos os seguintes comandos (A letra X deverá ser alterada para a letra da vossa instalação):

grub-install /dev/sdX

Deverá ser dada uma resposta sem erros.

grub-install –recheck /dev/sdX

Deverá ser dada uma resposta sem erros.

update-grub

Deverá ser dada uma resposta sem erros.

Por fim, escrevemos “exit” o que nos fará voltar ao menu de recuperação. Escolhemos a última opção (reiniciar o sistema) e em princípio tudo voltará ao normal.

O nosso sistema voltou 😀

DNS dinâmico num servidor Ubuntu/Debian?

Viva

Desde que o famoso dyndns deixou de ser gratuito no verdadeiro sentido da palavra que tenho sofrido algumas dores de cabeça pois mesmo fazendo login no site de 30 em 30 dias, há hosts que “misteriosamente” expiram pelo que tenho que andar a reconfigurar o serviço novamente, correndo o risco de entretanto ver o meu nome de host ser registado por outra pessoa…

Recentemente mudei de provedor deste tipo de serviço e tenho usado nas configurações novas o servidor de nomes seguinte:

http://www.dnsdynamic.org/

Não tem limite de hosts e oferece um atualizador via browser ou um script automático  mas… e como configurar na consola do nosso servidor  Ubuntu/Debian?

Embora pra consola! 😀

Começamos por instalar o programa:

sudo apt-get install ddclient

Caso já esteja instalado podemos reconfigurar com o seguinte comando:

 dpkg-reconfigure ddclient

No primeiro ecrã vai nos pedir para escolher o serviço. Escolhemos a última opção “Outro” ou “Other” caso seja em inglês.

No segundo ecrã vai nos perguntar qual o provedor do serviço. Devemos escrever “www.dnsdynamic.org”.

No terceiro ecrã escolhemos a opção “dyndns2”.

Nos dois ecrãs seguintes escrevemos o email de registo e a respetiva palavra-passe.

Por fim escolhemos a placa de rede que está ligada ao nosso router, por norma eth0. Caso seja wifi em princípio será wlan0.

No ecrã seguinte vai nos pedir para escrever o nome dinâmico que queremos que fique sempre atualizado para o IP externo da máquina (e que registámos no sítio).

Por último escolhemos “não” na pergunta se a ligação é sobre “ppp” e “sim” para correr o serviço automaticamente. Também pede para configurar o intervalo de tempo para verificar se o IP externo mudou. “5m” basta.

Se formos ao painel de gestão no DNSDynamic verificamos que o nosso IP está atualiz… hey! Aparece lá o IP interno do nosso server e isso está errado!!! Vamos corrigir? 😀 Na consola editamos o seguinte ficheiro:

sudo nano /etc/ddclient.conf

Procuramos a linha “use=if, if=eth0” e substituímos por “use=web, web=checkip.dyndns.org”

Salvamos as alterações e executamos o seguinte comando:

sudo service ddclient restart

Em seguida executamos um último comando:

sudo ddclient

Se tudo correu bem veremos a palavra SUCCESS e o IP externo atualizado.

E pronto, temos o nosso dynip configurado e quem sabe… “para sempre”? 😉

Cumprimentos